sexta-feira, janeiro 31, 2014

hoje eu não acordei, hoje não vou dormir.

*telefone tocando*

Ah não... outra vez!? que coisa chata...

- "Alô!? Que você quer... de novo!?"

- "Cara... tá dando uma merda enorme aqui... queria te pedir pra mudar alguma coisa que você tá fazendo por aí..."

- "Que merda?! Cara, não tá fácil por aqui também... você acha que tudo pode ser diferente, que tudo pode ser mais legal, que tudo pode ser mais bonito. Mas, olha só: NÃO É ASSIM! E vê se para de ligar pra ficar me enchendo a porra do saco..."

- "Peraí, cara... eu só to querendo te ajudar... eu já passei por isso! E é só por isso que to te ligando... pra te dizer que se você continuar assim... vai dar merda!"

- "Você acha que já passou por tudo, né?! Que sabe de tudo, né!? Porra... não to conseguindo! não aguento mais isso tudo que tá rolando... tem hora que eu só queria apagar... dormir... não acordar... eu já acordo com vontade de dormir... e vou dormir querendo não acordar... tá muito difícil viver lá... tá muito difícil viver aqui... tá muito difícil ficar ouvindo você me falar que vai dar merda. Advinha: já tá dando..."

- "Eu to vendo que tá dando... só quero o seu melhor... pra que eu possa ter o meu melhor também... levanta essa cabeça! Vá a luta!"

- "Não enche, cara... vá caçar o que fazer... tenta fazer melhor desse lado daí... tchau! foda-se tudo..."

- "... tu,tu,tu,tu..."

Essa merda de futuro cisma em ficar me ligando... se ele soubesse que ser presente é uma merda...



terça-feira, janeiro 28, 2014

Chuva

A última notícia que soube é que ela procura não mais ficar sozinha. Parece que tem medo... é sim. Evita ir pra casa, e quando o faz, faz o mais tarde possível para que, então, possa só tomar banho, escovar dentes, dormir... e esperar que chegue o próximo dia.

Sei... também acho um comportamento estranho. Mas ela não pode evitar. Ainda fica tudo meio dolorido. Voltar a morar naquela casa mexeu com ela. E ela fica triste... foi o que ela me disse. "Tem muita memória no que sobrou... nas coisas que não foram levadas... nas coisas que foram esquecidas... tem muita lembrança lá."Foi isso que ela disse...

E fica tudo enchendo... enchendo... enchendo... Um dia isso ainda vai precipitar, sabe? Que nem chuva... não sei o que vai sobrar quando isso acontecer...


O vazio é um meio de transporte 
Pra quem tem coração cheio

domingo, janeiro 26, 2014

Ciclos artificiais

Quem disse pra ele que se fechou um ciclo e se iniciou outro só porque completou-se uma volta de 365 dias?... mais uma volta dentre tantas... e muitos ciclos abrindo e fechando em menos ou mais tempo que isso.

E dessa vez se completa mais um ciclo do dia 25. E nada muda direito ainda. Continua tudo meio morno, meio manso, meio insosso. Sem gosto. Ou com um gosto um tanto amargo, um tanto ácido.

Soube que ele ocupa a mente e o tempo pra não tentar pensar tanto. E, naquele dia que um desses ciclos de 365 dias se fechou, teve ainda menos importância. Diz ele que foi porque a única pessoa que ele esperava que perceberia e daria o tão desimportante parabéns, não o fez. E isso calou fundo dentro dele. E fez com que esse ciclo dos 25 fosse ainda mais sem graça... Esse mamute não aprende mesmo.

Mas deixa estar... somos todos como objetos contra a luz... e nesse momento, quem vê esse tal mamute, precisa ver que ele estar moving on. Já que são tantos ciclos de calendários tão aleatórios acontecendo ao mesmo tempo, vamos fingir que esse tá andando também, disse ele.

E a gente vai levando.

"Evito a foto sobre a mesa
E ninguém aqui vai notar
Que eu jamais serei a mesma..."