sexta-feira, agosto 27, 2010

Todo mundo, mundo todo...

Aquele momento em que as pupilas deixam de se cruzar é como uma pausa andante, amável e elegante, com seis compassos em que o mundo todo fica em suspensão. Um hiato.

Um... dois... três... quatro... o ar foge do pulmão e o entorno todo se escurece
Um... dois... três... quatro... os sons de todo mundo emudecem
Um... dois... três... quatro... a angústia e ansiedade consomem cada pulso
Um... dois... três... quatro... a contração que antecede o abrir de pálpebras
Um... dois... três... quatro... e é como se o mundo inteiro parasse só pra ver os olhos abrindo
Um... dois... três... quatro... e tudo volta a ter a sua cor e sons só das pupilas se reencontrarem