quarta-feira, fevereiro 01, 2006

A casa da vovó Nieta

Antonieta do Nascimento Camara. Essa era a minha avó. Como eu adorava ir passar os domingos no velho apartamento do bairro Marechal Hermes, zona oeste do Rio.

Primeiro, quando era bem pequeno, saíamos do Jd. Guanabara para a casa dela... Era uma viagem longa p´ra uma criança. Mas quando chegava aqui era uma maravilha! Reencontro de família, casa cheia, todas as mães fofocando e trocando brincadeiras, dicas, dando conselhos, assuntos pessoais, todos os primos fazendo brincadeiras de rua, tais como "mamãe posso ir", "pique-bandeira", "pique-pega" entre outros, e, quando noite se aproximava, o famoso "pique-esconde"!

Em dia de São Cosme e Damião era uma festa! Todas as crianças saíam pra conseguir doces. Impressionante! Mas acho que criança tem um compartimento secreto dentro do corpo, pra estocar doce. Até hoje não entendo como conseguia comer tantos.

Tinha também a senhora de outra portaria que vendia sacolé e que tinha que repetir todos os sabores cada vez que um dos netos da Nieta ia lá pra comprar.

Depois mudamos pro interior e essas visitas foram mais escassas. Mas, igualmente inesquecíveis. Como na vez em que a sala da casa ficava cheia e todos os adultos e crianças brincavam de "Detetive". E os medos de subir as escadas e ir pro terceiro andar. Ou mesmo de brincar simplesmente de pular da saliência da escada pro chão e subir a escada, da portaria, correndo.

Infelizmente, nossa tão querida matriarca se foi num acidente com um automóvel, deixando uma imensa saudade. E com a morte dela a família se fragmentou. Cada um foi pra seu lado e as algres tardes de domingo se acabaram.

O destino me trouxe devolta ao antigo lugar de tantas alegrias. Só que agora, o apartamento é diferente. E tenho a estranha sensação do lugar ser bem menor.

Não nego que antes eu gostava muito daqui. E hoje em dia, se puder, passo o dia inteiro fora. A casa perdeu o brilho.

Agora, minha tia, que é a atula moradora do apartamento, vai se mudar, e entregar o apartamento para o seu dono.

Tantos anos de historias vividas nesse lugar por tantas gerações será fechado para nossa família. Só vão ficar as boas e velhas lembranças das tardes de domingo na casa da vovó Nieta.

P.S.: Vó, onde quer que você vá, nunca sairá dos nossos corações.